Tuesday, September 4, 2007

O EXPRESSO DA MEIA NOITE.

Elenco: Brad Davis, Irene Miracle, Bo Hopkins, Paolo Bonacelli, Paul Smith, Randy Quaid, Norbert Weisser, John Hurt, Mike Kellin, and Franco Diogene.
Dire
ção : Alan Parker
Roteiro
: Oliver Stone
baseado no livro de Billy Hayes e William Hoffer
Duração: 115 minutos

Lançamento
(EUA): 1978


O Expresso da Meia Noite é um filme de prisão que conta a história de um jovem norte americano, Billy Hayes, que nos anos 70 é detido no aeroporto de Istambul com 20 kilos de haxixe.

O inferno na vida de Billy começa quando ele descobre durante o processo penal que a pena para este tipo de crime no país onde está é a prisão perpétua.

O filme retrata com bastante clareza a escuridão do processo judicial no qual Billy se envedera e cai prisioneiro. A amargura da prisão e do prisoneiro, o isolamente diante do choque cultural, do racismo, da corrupção sexual, da tortura, das mazelas existentes na prisão onde um cruel sargento e seu ajudante infernizam a vida dos prisoneiros que tem como unica solução sonhar em pegar o Expresso da Meia Noite, um trem fictício que os levaria para a liberdade.

Por se tratar de um filme baseado em história verídica há no filme uma forte carga dramática e emotiva. A música eletrônica de Giorgio Moronder, os tons escuros predominantes na fotografia combinam perfeitamente e transformam o clima do filme.

A película do britânico Alan Parker é um de seus primeiros sucessos mundiais. O filme alcançou grande popularidade em vários países, foi banido em outros países de predominância árabe, recebeu indicações para o Oscar e levou dois por Roteiro Adaptado e Som, e levou Globo de Ouro por melhor Filme, Ator, Diretor e Edição.

Alan Parker é um diretor peculiar advindo do mundo da plubicidade onde já era muito famoso e prestigiado no início dos anos 70. Foi acusado de ser superficial e de fazer filmes como comerciais de Tv. Porém ao contrário disto seus filmes apresentam densidade dramática de qualidade e alia-se a isto o seu critério estético “clean” que, sem dúvida, é uma marca de suas películas.

A cena final do Expresso da Meia Noite é um clip lindíssimo aplicado à linguagem cinematográfica com beleza e poesia.

O filme foi feito antes do predominio da era do “politicamente correto” e por um britânico. Incorre, certamente, numa distorção da cultura turca. Mas o fato é que em prisões há os algozes, as vítimas, os corruptos, os corrompidos e o filme é feito a partir da ótica do prisoneiro estrangeiro como vítima e não como criminoso.

Este filme foi um dos primeiros a tratar mais abertamente da questão da droga, seu uso e da punição por isto. Mostra tambem cenas de homossexualismo masculino com tratamento estético e sensual com certo ineditismo para a época da produção do filme. Uma das cenas mais chocantes do filme é quando Billy se masturba olhando sua noiva atrás de um vidro para visitantes. É uma cena desconcertante e comovente.

“Expresso da Meia Noite” segue a tradição dos filmes de prisão como “Papillon” com Steve McQueen e “Brutalidade” com Burt Lancaster. É um filme de tema forte e como um bom vinho, pode ser apreciado quase 30 anos depois de sua feitura com prazer.

É um destes filmes que ficou.


2 comments:

Luzimar said...

Paul.
este filme foi muito bom mesmo.
meio deprê..mas muito bom.

abraços

Luzimar

Anonymous said...

Como tas?!Eu estava farto de procurar ferramentas de ganhar dinheiro online ate que descobri um website para ganhar algum sem arriscar,simpatizeimuito!
ponho aqui o endereço para a comunidade http://www.levantamentosonline.pokersemdeposito.com/ !
PS:apreciei pofunadamente o teu blogue bos escrita!
Au revoir