Saturday, July 21, 2007

SICKO - A Saúde Doentia


Michael Moore é sem dúvida um dos mais bem sucedidos documentaristas da última década. Com seus premiados “Bowling for Colombine” (Tiros em Colombine), de 2002, que trata da obsessão dos norte americanos por armas, tendo como pano de fundo a chacina de alunos numa escola de ensino médio na cidade de Columbine ; e “Fahrenheit 9/11”, de 2004, que é uma contundente critica ao governo do Presidente George Bush e o relaciona com o atentado de 11 de setembro.

Em sua nova película Sicko”(Doentio), o diretor, roteirista e produtor, critíca o sistema de saúde nos Estados Unidos. Denuncia a máfia das empresas de seguro saúde, aponta a origem do problema e a inoperância do governo quanto a esta questão. Mostra também como o pobre americano é negligenciado e vive a míngua dentro deste sistema.

Com a mesma metodologia de seus filmes anteriores, Moore procura comparar o objeto de sua critica com situações similares em outros países. Desta vez volta ao Canadá onde o sistema é totalmente gratuito para todos os cidadãos, sem exceção. Vai á França e ao Reino Unido onde o mesmo ocorre. Por fim, quebrando de forma corajosa o tabu da rejeição da política americana a Cuba de Fidel Castro, Moore vai até a ilha , mata a cobra e mostra o pau. Isto é, ele questiona como pode um país com menos recursos que os Estados Unidos prover aos seus cidadãos um sistema de saúde universal e o seu país não.

Michael Moore como sempre mantém em seu filme uma incrível coerência de idéia, uma objetividade sem fim, uma capacidade de juntar fatos para explicar outro e com momentos tocantes e extremamente tristes ainda manter um corrosivo senso de humor.

Outro filme nota 10, cinco estrelas. Já ouvi gente dizer que gostaria que o Michael Moore se candidatasse a presidente dos Estados Unidos. Não sei se tanto, mas o bom dos filmes de Moore é que realmente provocam a opinião pública . A sua postura corajosa em 2003 quando foi um dos primeiros a ir a público, durante a cerimonia de entrega do Oscar e debaixo de grande vaia criticar duramente a invasão dos Estados Unidos no Iraque, fez com que o cineasta ganhasse mais e mais a credibilidade no mundo cinematográfico, da crítica e do público.

O filme está em cartaz na grande Miami há pelo menos cinco semanas. Sinal de boa bilheteria e sem o grande estardalhaço publicitário típico nas grandes produções.

Ps: A tradução literal de “Bowling for Colombine” seria “Jogando Boliche para Colombine”. O titulo é este porque os dois alunos que mataram seus colegas dentro da escola Colombine, eram integrantes do time de boliche da escola.

10 comments:

Mary said...

Mto bom! Fikei com vontade de ver o trabalho dele agora!

Continue postando q estarei sempre lendo!

Mary Constantinides

Anonymous said...

Moore tem imensa publicidade gratuita feita pela vasta maioria da midia norte-americana, que é de esquerda. Os filmes dele têm sido comprovadamente desmistificados e expostos pelo que são: um amontoado de mentiras e distorções. Hey, os brasileiros têm é inveja do fato que é legal (e garantido pela Constituição) que os americanos possuam armas! So sad...

milla kete said...

Paul, estás totalmente desinformado no que toca Moore. Deverias parar de ler a midia de esquerda e pesquisar as verdades sobre as mentiras dos filmes de Moore. Só para te dar uma pequena idéia --e se viste Bowling for Columbine-- ele mostra uma cena do Heston onde, na verdade, ele aparece em dois eventos completamente diferentes, em locais completamente diferentes. O "documentira" foi propositadamente manipulado para fazer parecer que era tudo no mesmo evento. Por aí tiras uma medida dos "documentário" do sujeitinho...

Jair Rego said...

Michael Moore é genial!!
Lutando pra acabar com as deficiëncias da norte-américa e denunciando como sempre a miséria do sistema.
Valeu!

Maga P. said...

Ainda não assisti este filme. Mas adorei os outros dois que assisti dele. Com certeza este também deve ser bom.
Vou tentar ver esta semana.
Legal Paul.

MagaP

Roflmao said...

Tem sido provado e re-provado que os filmes desse imbecil não são documentários, mas um amontoado de mentiras e invenções. E os brasileiros, estariam com inveja porque os gringos PODEM ter armas e se defender. (ROFLMAO!)

Anonymous said...

Vi o filme.
Poretta!!!!

Anonymous said...

Tudo bem. O filme é bacana sim. Mas eu não acho que os caras foram em Cuba não. Devia ter ido ao Brasil.
Ai não ia ficar tão mal assim.

Kátia Volgue said...

Só mesmo o Michael Moore prá colocar no cinema esta questão importante pra vida dos americanos.
Tá faltando um cara assim em vários cinemas do planeta.

Carla Candido said...

Loucura ou não.
Acho que voce tem razão quando diz que o Michael Moore é um sujeito corajoso.
Isto ele é.