Monday, July 30, 2007

TRANSFORMERS - A CELEBRAÇÃO DA MÁQUINA NO PLANETA DA PIPOCA COM COCA COLA.



Transformers é um filme que começa contando a história de um planeta onde robôs gigantescos tem vida e inteligencia própria; e que deste planeta um Cubo, que é o princípio da vida destes seres, durante um conflito entre os bons e os maus, é lançado ao espaço e cai na Terra. Os robôs, portanto, vêm à Terra em dois grupos para resgatar o cubo. Os maus destruindo tudo pela frente e os bons protegendo os humanos e tendo eles como aliados para destruir o mal.

A curiosidade é que estes seres tem a capacidade de se transformar (daí o nome do filme) em máquinas. Sendo que os maus se transformam em tanques de guerra e helicopteros e os bons em carros esportes e caminhões.

Transformers é um filme inspirado em um brinquedo os anos 80 que por sua vez inspirou ou se inspirou num desenho animado japonês, também dos anos 80.

É um filme que celebra a tecnologia como forma de resolver os problemas da humanidade. Em outras palavras, fala da nossa dependência tecnológica. Alguma novidade? É triste, no entanto, esta constatação de que celebrar isto como o filme faz não dá ao espectador outra idéia senão a do consumo e da preguiça mental. Não há nada de fato para se pensar.

Há no filme, pelo menos, vinte minutos de pura overdose vertiginosa e visual. Isto paga o ingresso. Porém, mesmo se tratando de um filme de ação e ficção científica, no todo, chega a ser um filme longo e cansativo.

Mesmo não tendo muitas cenas arrastadas com diálogos chatos e tendo até certo humor e sarcasmo. Mas não há nenhum cuidado neste aspecto, trata-se de um filme para adolescentes e sobre adolescentes no sentido mais primal. Há o uso em excesso de clichés onde os pais quando aparecem no filme são sonsos, a polícia idiota, a tecnologia superba, de que os Estados Unidos são senhores do mundo e defensores do bem, que a mulher magra é a vênus absoluta, o rapaz que pratica esportes é idiota e ter um carro e um celular é tudo para um garoto de 18 anos.

No mais, muita adrelina, destruição de prédios, carros e explosões.

Por se tratar de um filme para um publico infanto-juvenil entende-se que cada geração tem seu tempo e sua janela. Há algumas décadas atrás ia-se ao cinema para se assistir as sessões dos Três Patetas e os desenhos do Tom e Jerry.

Havia nas Tvs o National Kid herói voador que lutava contra os Incas Venusianos.

Hoje temos estes Transformers resultante de uma superprodução cinematográfica, com a assinatura de um Spielberg na produção executiva que traz a garantia de que seus olhos irão ver na tela o que for de mentira como algo real, e isto, graças a tecnologia. E isto é um dos fatores que dão ao filme parâmetros para seu sucesso comercial.

A cena final do filme, o gigantesco robô olhando o céu e prometendo defender a Terra; em seu corpo metálico reluzindo as cores azul e vermelho é o clássico cliché do patriotismo norte americano. Hoje o Super Homem é a Tecnologia.

Porém esta redundância possível de se enchergar neste filme em nada afeta ou afetará o seu sucesso com platéia infanto-juvenil.

De fato, cinema é entretenimento.

E se não era pra ser, quem se importa?

8 comments:

Anonymous said...

Olha Paul, eu me importo.
Mas também não sei se adianta muito. Risos.

Anonymous said...

Acho que o filme não presta mesmo.

Jota said...

Valeu.
Gostei.
abs
Jota

Anonymous said...

Belíssimo comentário sobre o filme.

Eu jamais assistiria.....rs

Carlos Gomes said...

Este filme é muito bom mesmo. Assisti já duas vezes. Não vem com este papo ai de que é repetitivo porque não é.

Carlos Gomes

Adrian L. said...

Assisti o filme e gostei muito.
Não sei bem o que voce está dizendo, mas vou assistir outra vez.
È muito legal as cenas de ação deste filme!

Adrian L.

Anonymous said...

Cinema é pipoca não papo cabeça.
Abaixo aquele lance papo de ideía na cabeça e nem sei mais o que na mão.

Kleber said...

É isso ai. Assisti ao filme e não viajei. Nossa é longo mesmo!!
Mas sacal!!!

Kleber H.